quarta-feira, julho 18, 2018

TRATADO DO CANTE - Registos fonográficos:


2006 (CD): “Música Popular e Tradicional Portuguesa



- Edição/ Produção: Grupo Musical Ecos.

- Temas: Português emigrante; Ai que verde, verde; Mariana campaniça; Saias de S. Mateus; Quando vou à horta; Ramalhinho; Mal me quer; O pardal; O ferreiro; O canto do passarinho; Assubi ao penedinho; O anel que tu me deste; As nuvens que andam no ar; A avozinha; Laurindinha; O verde gaio.

Grupo Musical Ecos, Quinta do Conde 2.

Cota FaiAlentejo: FF CA CD 0140

sábado, junho 23, 2018

TRATADO DO CANTE - Registos fonográficos:

TRIO GUADIANA


. S/D (K7): “Trio Guadiana

. Edição: Green

. Temas: (a) 1. É tão triste ver partir; 2. O rouxinol; 3. Ó morena; 4. Lírio Roxo do campo; 5. Canta o melro; 6. `rama, ó que linda rama. (b) 1. Flores mimosas; 2. Lírio Roxo; 3. Ó erva cidreira; 4. Rapsódia portuguesa; 5. Nossa Senhora do Carmo; 6. Os olhos da Marianita.

- Trio Guadiana

Cota FaiAlentejo: FF CA K7-0426

quinta-feira, junho 21, 2018

TRATADO DO CANTE - Registos fonográficos:


S/D (CD): “Canções de Labor e Lazer

- Edição/ Produção: António Bizarro e Ricardo Fonseca

- Temas: Cantiga Bailada; Ó Menina Florentina; Caninha Verde; Pelo Toque da Viola; Oh, Bento airoso; Ó Zé; Quero ir para o Altinho; Estando a dobar; Ó menino, ó; Vai-te embora ó papão; Senhora do Almortão; Vou-me embora, vou partir.




Ana Tomás & Ricardo Fonseca.

Cota FaiAlentejo: FF CA CD 0139

domingo, junho 17, 2018

TRATADO DO CANTE - Registos fonográficos:


2005 (CD): “Música em tempo de festa”


- Edição conjunta: Câmara Municipal das Lajes do Pico;Direção Regional da Cultura dos Açores; Junta de Freguesia das Lajes do Pico; Associação Cultural P. José d’Ávila; Santuário do Bom Jesus; Caixa Geral de Depósitos (Lajes do Pico); Espaço Talassa; Alojamento Bela Vista; Casa de exposições Capitão Alves.

- Composição gráfica: Barro Açores.

- Gravação: RDP Açores.

- Temas: (1º.CD) 1 Noite; 2 Ponha aqui o seu pezinho (Festa Redonda); 3 A Lira; 4 Canção dos Trigais; 5 Este parte, aquele parte; 6 A Praia; 7 O Cantador; 8 Boa tarde, digo a todos (Festa Redonda); 9 O Casaco; 10 No mar; 11 Cancion do temporal; 12 Enterrai-vos, ervas verdes (Festa Redonda); 13 Meu lírio roxo; 14 Saudade; 15 Tirana; 16 A Tirana. (2º. CD) 1 Bom Jesus Milagroso (Oração do Peregrino); 2 Pela vossa formosura; 3 Pelas vossas cinco chagas; 4 Para todos que veneram; 5 Deus de Eterna Glória; 6 Avé Maria do Centenário de Lurdes; 7 Sanctíssima; 8 Natal de Elvas; 9 Noite de Paz.



Grupo Coral das Lajes do Pico, Açores.
Cota FaiAlentejo: FF CA CD 0138

sábado, junho 16, 2018

TRATADO DO CANTE - Almanaque:


"CANTIGA

Comigo me desavim,
Sou posto em todo perigo:
Não posso viver comigo
Nem posso fugir de mim.

Com dor, da gente fugia,
Antes que esta assi crescesse;
Agora já fugiria
De mim, se de mim pudesse.
Que meio espero ou que fim
Do vão trabalho que sigo
Pois que trago a mim comigo
Tamanho imigo (1) de mim?"

(1) Inimigo.



Sá de Miranda (1481 – 1558).
Pág. 28



Fonte: “101 Poetas – Iniciação à poesia em língua portuguesa”. Organização de Inês Pupo. Edição: Editorial Caminho. Ilustração da capa: Carlos Marques. 2007.

segunda-feira, junho 11, 2018

TRATADO DO CANTE - O Alentejo começa aqui:

36º. Aniversário do Grupo Coral "O Sobreiro" - Baixa da Banheira, Moita.





sexta-feira, junho 08, 2018

TRATADO DO CANTE – Almanaque:


SOU O ALENTEJO

Dedicatória

A quem devo este homem e poeta (José-António Chocolate) que vos apresento:

. A minha mãe, Maria, lutadora decidida e determinada, noite e dia desbravando os caminhos do futuro;

. A meu pai, António, corpo abnegado e sofrido, feito de trabalho, sempre moirejando sob sol e chuva o acrescento à sua parca jorna;

. A minha avó, Mariana, doce carinho, dedicada na construção sensível dum mundo de pormenores e afectos.

(…)
Sou o alentejo

Sou feito de planície
venho da terra chagada
onde cresce cedo
                 a madrugada
e ao sol, o olhar
                 a custo resiste.

Trago no ventre
searas loiras
e o travo quente
de rubras papoilas…
Estou na madrugada
que rouba às raparigas
o bafo morno
                das cantigas.

Sabe-me a boca a amoras
                silvestres
amadurecidas à hora da sesta.

Faço da noite lençóis de
                relento
que o vento soão rasga
                sedento…

Tenho o eco das cigarras
das noites quentes de verão
e uma cor de giesta amarga
                que me grita
                que me espera agreste
no fim de cada estação.

Sou o Alentejo!…
Sou o Alentejo
fecundado na imensidão
do olhar que se embrulha
                 no horizonte
entre um céu de fogo
                 e o chão.”



In: “Todos os Afectos – 30 anos de poesia| Antologia”, de José-António Chocolate. Edição de Estuário. Foto da capa de Ricardo Fonseca. Maio de 2012. Pág.s 35/36