sexta-feira, julho 29, 2016

TRATADO DO CANTE - À minha moda:

OLHA LÁ TU Ó POETA

                        Solo:               Olha lá tu ó poeta
                                               Com teus olhos de bem ver
                                               Olha lá a camponesa
                                               E o bem que é essa mulher

                        Alto:               Olha lá mas não lhe digas
                                               Numa quadra falseada
                        Coro:              Que ela é linda apenas linda
                                               Linda Papoila encarnada
                                              
                        Refrão:           Olha lá poeta
                                               Olha e olha bem
                                               Olha a camponesa
                                               E o bem que ela tem
                                               Olha não lhe chames
                                               Só linda ou lindeza
                                               Chama-lhe também
                                               Mulher de proeza
                                               Que ela os campos trata
                                               Ela é costureira
                                               Ela os trigo ceifa
                                               Ela é lavadeira
                                               Ela os filhos cuida
                                               Ela é enfermeira
                                               Ela é milagre
                                               Ou é feiticeira

                        Solo:               Olha lá tu ó poeta
                                               Com teus olhos de poesia
                                               Olha lá a camponesa
                                               E o seu fazer dia a dia

                        Alto:               Olha um toque de alvorada
                                               Que desde alvorada ser
                        Coro:              Monda, ceifa coze e lava
                                               Sem toque de recolher

                        Refrão:           Olha lá poeta
                                               Olha e olha bem

                                               …              

Refª.: 2004 – (CD) Canções camponesas de Portugal.
- Editado por Canto Lindo Espectáculos Culturais
- Modas: Saudades de Outrora, Esta minha Vila, No alto daquela Estrada, A Rosa e o Jasmim, As duas ruas, Papoilas, O Alentejo não é, Olha lá tu ó poeta, Costa Alentejana, Ó meu Alentejo, Era o cravo, Ó Senhora da Assunção, Girassol, Promessas.
Grupo Feminino Cantares do Xarrama, Torrão, Alcácer do Sal.
Cota FaiAlentejo: FF CA CD0052

quinta-feira, julho 28, 2016

TRATADO DO CANTE - Almanaque:

MINHA MÃE AMASSA O PÃO


"(...)
Minha mãe amassa a filha,
A tal Filha do Bandido **–
Com tanta acção de guerrilha,
O pão fica mal cozido.

Minha mãe amassa e prende
A um vago sentimento
As coisas que mal entende,
E deixa-as ir com o vento.

Minha mãe amassa a curva, 
A lenta curva do dia – 
Pão redondo, alma turva, 
Outono, melancolia...  

** A Filha do Bandido, de Guido Bellini, Henrique Torres Editor, Lisboa, (“Aventuras nas Florestas Norte-Americanas”, informa a capa ) também vendido em fascículos como o anterior.  
(...)
de António Simões