sábado, junho 29, 2019

04 053 TRATADO DO CANTE – À minha moda

Moda: Verão

As modas alentejanas (canções tradicionais), são quase todas de matriz popular, não há um autor identificado. Não se sabe, ou não se quer saber, a quem dar os créditos.

A moda do “Verão”, tem a particularidade de se saber quem a fez.

Em 1997 desloquei-me a São Pedro do Corval para entrevistar o seu autor, Manuel Conde, oleiro de profissão, que me informou ter feito a moda para ser cantada pelo Grupo Coral da Casa do Povo de Reguengos de Monsaraz.



Em 2013, numa visita à Casa do Cante de Monsaraz, sede do Grupo Coral da Junta de Freguesia de Monsaraz, verifiquei que a moda “Verão”, tem mais um autor, Egídio dos Santos, radicado em Montoito (segundo me informaram).




Aqui fica a letra da versão integral:

VERÃO
Ponto:Verão, a brasa dourada e celeste
Queima este solo agreste
Doirando mais as espigas
Ceifeiros, corpos curvados
Cortando e atando em molhos
A bênção loira da vida.

Alto:
Meu Alentejo
Coro:
Enquanto isto se processa
O Sol ferino e sem pressa
Queima mais a tez bronzeada
O suor rasga as camisas
O homem queimado mais fica
A vida é feita de brasa.

Ponto:
O suor caustica os corpos
Os ceifeiros vão ceifando
Sem parar no seu labor
O seu cantar é dolente
É certo que é boa gente
É verdade e tem mais sol.

Alto:
Meu Alentejo
Coro:
Enquanto isto se processa
O Sol ferino e sem pressa
Queima mais a tez bronzeada
O suor rasga as camisas
O homem queimado mais fica
A vida é feita de brasa.


Egídio dos Santos e Manuel Conde


sexta-feira, junho 28, 2019

TRATADO DO CANTE – A Paixão do Cante

Quem não há-de ter paixão...

Maria Antonieta Nogueira

"Alentejo sempre…
(...)
Foi uma escolha. Terminei o curso com a ideia pré-concebida: Alentejo. (...) Um sonho!
Chegada que fui a Beja, logo recebida por um director escolar que, meio estupefacto com a minha coragem, me tratou como uma princesa. Sentindo de momento a minha ansiedade, entrelaçou as suas mãos nas minhas e transferiu essa ânsia e esse medo que se haviam acolhido no meu peito, para dentro do coração dele. Soube-o logo, vislumbrando uma ternura imensa nos seus olhos e, a partir daí, contei com a sua amizade e compreensão para sempre. O primeiro alentejano que conheci. Manuel Joaquim Delgado. Para si mais uma vez o meu obrigado do coração.
De automotora, segui  para Mértola onde comecei a lidar com alentejanos retraídos, envergonhados, que iam aparecendo com os filhos para as matrículas. Entendi logo que esperavam tudo de mim sem suporem que eu esperava tudo deles. Assim começou a nascer o entendimento. Eles e eu. Eu que não faço amizades  facilmente,  eu que nunca ganharia a faixa de miss simpatia no meio de desconhecidos, tomei conhecimento que era a primeira vez que tal me sucedia. Assim entrei na família alentejana sem esforço. Não uma família imposta mas escolhida por mim. Passei a ser a professora, amiga, a confidente. Quase me carregavam ao colo. Os filhos faziam fila fora da minha porta, manhãs geladas, para me acompanharem à escola. E o mar açoreano desapareceu. Então a campina alentejana .
(...)
Não me alongo mais. Até gostaria. Mas a emoção está no ar. Voltei lá. É o que penso no momento. E tudo se mistura. Alegria e tristeza. Cantares alentejanos soam por aí. Perdi o jeito de terminar. Portanto, ponto final!"

In: Tribuna das Ilhas (Faial, Açores) de 18/01/2013.

segunda-feira, junho 24, 2019

TRATADO DO CANTE – Quem não há-de ter Paixão

Gente do Cante: Modesto Raposo


Nestas andanças do Cante sempre nos motivaram os interesses dos seus intervenientes, quer pela sua paixão pelo Cante quer pelo jeito de que são dotados.

Hoje realçamos o mestre Modesto Raposo, homem de Bom Cante e da sua capacidade artesanal de reproduzir, em miniatura, os motivos da vida no Nosso Alentejo.





Visitámos em 15 de Junho de 2019, na Quinta da Esperança, em Cuba a exposição dos trabalhos, de sua autoria, que nos deixaram bem dispostos. Foi Bom de ver.

Voltando ao Cante, motivo da nossa amizade, é bom que nos vamos encontrando, petiscando e cantando as nossas modas e dar alimento à paixão.

Bem haja mestre Modesto!

domingo, junho 23, 2019

TRATADO DO CANTE - Registos sonoros:

“Grupo Coral Cantares Regionais de Portel”. 


. Cassete, 1985.

. Edição: ORFEU

. Temas: (a) 1. Eu ouvi o passarinho; 2. Ó Portel, ó Portel; 3. Vou-me embora, vou partir; 4. Clementina; 5. Romana. (b) 1. Portel, querido Portel; 2. Cantes de Portel (rapsódia); 3. Bago de milho redondo (Malvarisco).

Grupo Coral Cantares Regionais de Portel

Cota FaiAlentejo: FF CA K7-0431