sexta-feira, agosto 26, 2016

TRATADO DO CANTE - Almanaque:

MINHA MÃE AMASSA O PÃO


"(...)
Minha mãe amassa o ar,
Duma leveza infinita –
Quando fica a levedar,
A massa inteira levita.

Minha mãe amassa a água,
De um ribeiro cor de prata –
Da ternura que já tarda,
O pão a sede nos mata.

Minha mãe amassa a brisa
Que mal se sente passar –
Tão leve, o pão desliza
Entre os lábios, devagar.

(...)"
de António Simões