sábado, janeiro 23, 2016

TRATADO DO CANTE - Grupos Corais:

DIÁSPORA - CANADÁ

Grupo Coral Feminino da Casa do Alentejo de Toronto
M6H 2A2 Canadá
1130 Dupond Street -Toronto, Ontário


Ficha Técnica:

- O Grupo foi fundado em 1993.

- Ensaiam às Sextas-feiras na Casa do Alentejo, à noite.

- O Grupo é composto por 18 elementos.

- Trajo: Etnográfico com representação dos trabalhos nos campos do Alentejo.

- Histórico: Tem tido actuações na Casa do Alentejo de Toronto e noutras Associações representativas das regiões de Portugal continental e ilhas.

- Repertório: Cantam as modas tradicionais alentejanas, com letras adequadas à sua condição emigrante, das quais destacamos: Quero ir ao Alentejo; Certo dia um pardal; Hino dos Mineiros; Alentejo não é pobre; A bandeira Portuguesa; Já não se vêem nos campos; Lindo ramo verde escuro; É tão grande o Alentejo; O Estado fechou as minas; Alentejo és nossa terra; Moreanes és meu povo; A cegonha; Sou português emigrante; Roseira enxertada; Maria da Rocha. 
         
- Registos Fonográficos:
     1999 – (CD) Alentejo Amo-te (Registo Sonoro),
                                  Produção de Casa do Alentejo de Toronto
                                  Cota Faialentejo: cota: FF  CA CD0006



in: "Corais Corais" (em actualização), de JFP.

TRATADO DO CANTE - GruposCorais:

DIÁSPORA - CANADÁ

Grupo Coral Masculino da Casa do Alentejo de Toronto
M6H 2A2 Canadá
1130 Dupond Street -Toronto, Ontário


Ficha Técnica:
- O grupo Coral foi fundado em Setembro de 1983. Tendo feito a sua primeira actuação em 19 de Fevereiro de 1984, no almoço inaugural da primeira semana Cultural Alentejana. Foi um enorme sucesso, como será de imaginar. Muitas lágrimas ao ouvir o cantar “MELANCÓLICO” Alentejano em terras tão longínquas do “Norte da América”. O Alentejano nunca esquece o seu “torrão dourado” e como é óbvio quando dois Alentejanos se encontram fora da sua terra mãe - o mote é a “cantiguinha” Alentejana - e como tal com a criação da Casa do Alentejo, houve logo a ideia de se criar um grupo de cante Alentejano. Não foi muito difícil conseguir arranjar elementos mas, claro surge depois a tal dificuldade que ainda existe: cada elemento, da sua freguesia do Alentejo (e praticamente quase todas as terras), são diferentes, o que para o Cante Alentejano se torna complicado. Mas para o Alentejano nunca há problemas, devido ao seu poder de adaptação e espírito hospedeiro.

- São fundadores do Grupo Coral: Raul Raposo; Maria Raposo; Manuel Raposo; Aldina Raposo; Luis Figueira; Guida Figueira; Francisco Gomes; Francisco Gonçalves; Francisco Varela; Francisco Sousa; António Franco; Marco Baioa; Custodio Manguito; José Godinho; José Ferro; Angelo Boga; António Gomes; Manuel Bentes; José Bentes; Manuel Luiz; Milu Franco.

- Ensaiam às Sextas-feiras na Casa do Alentejo, à noite.

- O Grupo é composto por 18 elementos.

- Trajo: Calça Preta; Camisa Branca; Colete Preto; Chapéu Preto e Lenço Vermelho.

- Histórico: O grupo tem actuado em inúmeros lugares:
. Em Toronto, Otava, Montreal – Quebec, onde se desloca todos os anos, em Maio, pelo Aniversário do Clube Oriental Português de Montreal.
. Actuou na Universidade de Toronto aquando da vinda do Dr. Mário Soares a esta cidade.

- Registos fonográficos: Gravou um disco e cassete com 8 canções. O disco saiu à venda no dia 17 de Fevereiro de 1985, dia do início da Semana cultural Alentejana.
S/D – (K7) Cantares Alentejanos (Registo Sonoro), produção de Casa do Alentejo de Toronto. Cota Faialentejo: cota: FF  CA K7-0029.


- Repertório: Cantam as modas tradicionais alentejanas, das quais destacamos: Na cidade de Toronto; Mondadeira Alentejana; Só uma pena me existe; A neve; As nuvens; Borboletas; Alentejo eu não esqueço; Ceifeira, linda ceifeira; Casa do Alentejo; O Alentejo é que é; Nós somos alentejanos; Vamos lá saindo.      
    
Nota: Até temos no grupo elementos que não são do Alentejo, mas que a sua paixão pelo mesmo os levou ao “sacrifício” (em termos de cantar) e hoje são bons elementos.

In: “Corais Alentejanos” (em actualização), de JFP.
                                                                  

TRATADO DO CANTE - Registos fonográficos:

Cota FaiAlentejo: FF CA CD0049

S/d – (CD) Cantes ao Menino (Registo Sonoro)



- Editado por Imagem Imenso, Lda.

- Modas: O Menino de Messejana, O Menino de Peroguarda, O Menino de Cuba, O Menino de Vidigueira, Boas Festas, Os três Cavalheiros 1, Os três Cavalheiros 2, Os três Cavalheiros 3, Os Bons Anos 1, Os Bons Anos 2, Os Bons Anos 3.

Grupos: Grupo de Cantares Alentejanos da Brigada Territorial nº. 3 da Guarda Nacional Republicana, Grupo Coral “Alma Alentejana” de Peroguarda, Grupo Coral Cubenses Amigos do Cante, Grupo Coral “Os Vindimadores” de Vidigueira, Grupo Coral “Os Ceifeiros” de Cuba, Grupo Coral “As Camponesas” de Castro Verde.

TRATADO DO CANTE - Registos fonográficos:

Cota FaiAlentejo: FF  CA K7-0049

1994 (K7): Grupo Coral Cubense "Amigos do Cante" (registo sonoro).



- Edição de Maria L. S. H. Matos.

- Modas: Ó Cuba terra bendita; Já lá vem rompendo aurora, A ribeira do Sol Posto; Vôa, vôa, pombinha vôa; Levantou-se o Lavrador; No tempo da Primavera; Vamos cantar à Santinha; Ao romper da bela aurora; Aurora teve um menino; Solidão; Ai dão, ai dão; No jardim a rosa branca; Ó águia que vais tão alta; Portugal é meu espaço.


Grupo Coral Cubense “Amigos do Cante", Cuba.

sexta-feira, janeiro 22, 2016

TRATADO DO CANTE - Grupos Corais:

SERPA:

Grupo Coral "Os Ceifeiros de Serpa"
Rua da Capelinha, 7 - 7830 SERPA




 Ficha Técnica:

- O Grupo foi fundado em 23 de Fevereiro de 1975.

- Ensaiam às Terças e Sextas-feiras, à noite.

- O Grupo é composto por 25 elementos.

- Trajo: Ceifeiro: Camisa em xadrez azul/castanho; Calça de cotim, militar; Lenço branco, com bolinhas azuis; Chapéu preto; Safões de pele. Adereços: Alforge tipo manta; Foice.

- Histórico: Tem uma média de 20 a 30 desempenhos por ano. Actuam em todo o País, para divulgação do "cante" alentejano, com maior impacto, no Alentejo e na zona da grande Lisboa, onde existe uma comunidade, muito forte de alentejanos. Destacamos algumas actuações: Porto; Guarda; Braga; Coimbra; Abrantes; Lisboa.

- Registos fonográficos: Duas cassetes áudio, em 1989 e 1994.

- Repertório: Cantam as "modas" características da sua zona, com as adaptações das letras ao momento actual.
Cassete (1989):  Serpa do Alentejo; Camponesa Alentejana; Meu lírio roxo; Abre-te ó campa sagrada; Ceifeiro; Quando o galo canta; Tenho barcos, tenho remos; Ó Serpa velhinha; Aurora.
Cassete (1994):  Serpa que és minha terra; Melancolia do campo; Ó Menina Florentina; É lindo na Primavera; Já lá vem rompendo aurora; Meu lírio roxo do campo; É tão querido o meu País; Tenho lá no meu quintal.

- Outras considerações: Por vezes o Grupo não pode corresponder às solicitações e aos convites que lhe são endereçados, por falta de transporte, contando no entanto, com todo o apoio das autarquias do concelho. As suas actuações são gratuitas e têm, exclusivamente, a intenção de divulgar o cante Alentejano.


In: “Corais Alentejanos”(em actualização), de JFP.

Nota: duas fotografias tiradas na Feira do Queijo de Serpa em 2007.

TRATADO DO CANTE - As Modas:

MONTINHO (Aldeia Nova de São Bento)


Cantiga:
Já não quero mais
Já não quero tanto
Queridinha d’alma
Ouvir o teu pranto.

Moda:
Fui (a) passear
Ao teu montinho
Saiu-me uma rosa
Dançando ao caminho
Como é linda
Como é formosa
Dançando ao caminho
Saiu-me uma rosa.

Cantiga:
Quando eu não tinha
De ninguém lembrança
Tinha a minha vida
Com mais segurança.

Moda:
Fui (a) passear
Ao teu montinho
Saiu-me uma rosa
Dançando ao caminho
Como é linda
Como é formosa
Dançando ao caminho
Saiu-me uma rosa.





In: “Alentejo: Vozes e estéticas em 1939/40. Edição crítica dos registos sonoros realizados por Armando Leça”. Coordenação de Maria do Rosário Pestana. Edição de Tradição Produções Culturais. 2014.

TRATADO DO CANTE - Grupos Corais:

VIANA DO ALENTEJO

Grupo Coral Feminino de Viana do Alentejo
Estrada de Portel – Apartado 6
7090 Viana do Alentejo






         
Ficha Técnica:

- O Grupo foi fundado em 20 de Maio de 2000.

- Ensaiam às terças-feiras, às 20:30 horas, no Cine-Teatro Vianense.

- O Grupo é composto por 19 elementos.

- Trajo: 1º.: Saia azul, camisa branca, lenço ao pescoço de xadrez, sapato preto. 2º.: Etnográfico.

- Histórico: Têm uma média de 16 actuações por ano: 10 no Alentejo; 6 fora do Alentejo. As mais significativas: Em Viana do Alentejo: nas comemorações do 25 de Abril; no 13 de Janeiro (feriado municipal); na Feira d’Aires (Setembro). Casa do Alentejo de Lisboa. Na Festa do Avante, Atalaia, Seixal. Na FIL (Feira Internacional de Lisboa). No Programa “Praça da Alegria” da RTP. Programa “SIC 10 horas”, SIC. Entre outras.

- Repertório: Cantam as modas tradicionais alentejanas, das quais destacamos: Ceifeirinha Alentejana; ó meu Alentejo; lírio roxo do campo; quando eu fui ao jardim, entre outras.

                            - Registos fonográficos: Gravaram 2 CD’s, em 2001 e 2002, edição da Câmara Municipal Viana do Alentejo,

- Projectos: Dar a conhecer o nosso cante no país e estrangeiro. CD, com fins promocionais e comerciais, com as nossas músicas.
         
- Realizam Encontro de Grupos Corais na Freguesia, anualmente.


In: “Corais Alentejanos” (em actualização), de JFP.

Nota: Fotografias tiradas no Cine-Teatro Vianense, em 2015, durante o Encontro de Grupos Corais.

TRATADO DO CANTE - Registos fonográficos:

Cota FaiAlentejo: FF  CA K7-0048

1994 (K7): Grupo Coral "Os Ceifeiros de Cuba” (registo sonoro). 



- Edição de Maria L. S. H. Matos

- Modas: Deitei o limão correndo; Fui a um jardim florido; Oh minha pombinha branca; Eu hei-de me ir sentar no círculo que leva a lua; Alentejo, Alentejo; Oh mar largo, ondas fortes; O menino; Quem há-de senhor quem há-de; Margarida, A ribeira do Sol Posto; Ao romper da bela aurora.

Grupo Coral "Os Ceifeiros de Cuba”

TRATADO DO CANTE - Registos fonográficos:

Cota FaiAlentejo: FF CA CD0048

2002 – (CD) Santo Aleixo Tradição Musical (Registo Sonoro).



- Editado por CNM – Companhia Nacional de Música.

- Modas: Santo Aleixo povo herói, Ao romper da bela aurora, Quando eu era solteiro, O passado já passou, lindo ramo verde escuro, pelo toque da viola, O pastor por esses montes, Já lá vem o barco à vela, Que inveja tens tu das rosas, Lindo Alentejo dourado, A idade é traiçoeira, Fui ao jardim passear, Mais vale tarde que nunca, O cheiro que a rosa tem, Pastorinha alentejana, Já lá vem no alto mar, Quinta feira de Ascenção, Ora vamos todos ao rio Guadiana, No nosso lindo Alentejo, Santo Aleixo já não tem.

Grupo Coral da Casa do Povo de Santo Aleixo da Restauração.

quinta-feira, janeiro 21, 2016

TRATADO DO CANTE - Escrito:

APONTAMENTOS SOBRE A CANÇÃO ALENTEJANA




 Outra personagem que muito falou sobre o “Cante”, foi Fernando Lopes Graça, figura maior da nossa música, com obra ímpar como musicólogo e compositor. Homem que extravasou em muito a pequenez, por vezes tão evidentemente dramática, do nosso país à beira mar plantado...
De um almanaque dos anos 40 transcrevemos passagens de um seu artigo de opinião:
“A alma do alentejano é profundamente musical e o canto é o elo vital que liga aqueles seres primitivos no sentimento de uma fraternidade de destinos, na afirmação de uma comunidade telúrica. Em qualquer parte o alentejano se reconhece e identifica, reconhecendo e identificando do mesmo espaço os seus irmãos em carne e espírito, mediante o viático das suas canções.
O ar e a paisagem vibram constantemente de melodias. É, porém, no silêncio da noite, da vasta e profunda noite alentejana, que estas ganham toda a sua altura e projecção anímica; (...)
O estudo da canção alentejana está ainda por fazer, tanto por escassez da necessária documentação, como por falta de especialistas perfeitamente habilitados, que a analisassem de triplo ponto de vista musical, psicológico e sociológico. (...)
A canção alentejana é por via de regra, larga, dolente e triste, de uma tristeza nada depressiva, antes nobre e serena, de um colorido sóbrio, de uma linha severa, nisto reflectindo a monotonia grandiosa, hierática e, por assim dizer, ensimesmada da própria planura alentejana. (...)
Um exame mesmo perfunctório da canção alentejana revela nela duas sedimentações: uma moderna ou, em todo o caso, relativamente recente (talvez não ultrapassando o século XVIII), e outra antiga, de uma antiguidade que não é fácil determinar, que abrange naturalmente por sua vez diferentes épocas, mas que não será muito aventuroso levar nalguns espécimes até aos tempos medievais. (...)
Falar das letras (constantemente renovadas) das canções alentejanas, constituiria capítulo dificilmente exaustivo, em matéria que dava para suculento e apaixonante livro. Não resisto, porém, à tentação de consignar aqui uma meia dúzia de documentos da riquíssima poética popular alentejana, permitindo-me chamar para eles a atenção dos nossos poetas eruditos, em cata de expressões renovadoras da sua por vezes tão cansada musa.
Primeiro, estas duas maravilhas, tão medularmente portuguesas: “

Ó Serpa, pois tu não ouves
os teus filhos a cantar!
Enquanto os teus filhos cantam
tu, Serpa, deves chorar.

Aqui tens meu coração,
se o queres matar, podes...
Olha que estás dentro dele:
se o matas, também morres.

“ Que irmão ignorado de Bernardim pôde conceber esta quadra de puro recorte clássico? “

Pus-me a chorar saudades
ao pé duma fonte, um dia,
Mais choravam-(n) os meus olhos
que a própria fonte corria.

“ E que poeta do Cancioneiro de Resende inventaria mais graciosa expressão do amor palaciano do que esta ? “

Ó olhos da minha cara
não olhai para ninguém;
já que perderam a graça,
percam-(n) o olhar também.

“ E o cinismo, a velar não se sabe que premências de ordem social, contido nestes quatro versos? “

Anda cá, amor,
que eu inda te aceitó.
O que os mais não querem
é que eu aproveito.

“ E a ironia sorridente destes dois tercetos ? “

Olha a noiva se vai  linda,
no dia do seu noivado.
Também eu queria ser casado.

Ser casado é ter juizo,
acho que é bonito estado.
Também eu queria ser casado.

“ Por último, atentem neste inapreciável quadro de um tão perfeito realismo impressionista: “

Eu ouvi,
mil vezes ouvi,
lá nos campos
rufar os tambores.
Das janelas
bradam as damas:
já lá vem,
já lá vem meus amores!”

in: Boletim do Cante Alentejano, nº. 2 de outubro de 1997.

TRATADO DO CANTE - Registos fonográficos:

Cota FaiAlentejo: FF CA K7-0047

1995 (K7): Grupo Coral dos Bombeiros Voluntários de Beja (registo sonoro),



- Edição de M. L. S. H. Matos.

- Modas: Hino ao Bombeiro; Rego abaixo, rego acima; Eu quero voltar aos campos; Rondei estou rondando; Portugal já tem idade; O Alentejo é tão lindo; Nosso lindo Portugal; Os trabalhadores passam a cantar; Alentejo, Alentejo; Quando a minha mãe morreu; A Gaivota mensageira; Há lindas flores no prado; Tenho lá no meu quintal; O Mineiro.


Grupo Coral dos Bombeiros Voluntários de Beja

TRATADO DO CANTE - Registos fonográficos:

Cota FaiAlentejo: FF CA CD0047

2002 – (CD) Aljustrel Tradição Musical (Registo Sonoro).



- Editado por CNM – Companhia Nacional de Música.

- Modas: Hino dos Mineiros, Aljustrel é nossa terra, Ceifeira do Alentejo, Ao romper da bela aurora eu ouvi um passarinho, É tão grande o Alentejo, A galinha da minha vizinha, Aljustrel vila mineira, Já deixei o Alentejo, Ceifeira linda ceifeira, Alentejo dos trigais, Aljustrel do Alentejo no centro da agricultura, Quem há-de meu bem quem há-de, Dá-me um beijo morena, Vá-se embora seu maroto, Sines é porto de mar, Almocreve cantando, Ao romper da bela aurora sai o pastor da choupana, Aljustrel terra velhinha, Ao romper da bela aurora sai a pomba do pombal, Um raminho de flores, Grupo coral dos Mineiros no Sindicato assinado, Quando eu fui ao jardim, Nasce o Sol no Alentejo, Vai de centro ao centro, Vila de Aljustrel, Eu sou português, Vai colher a silva, Camponês alentejano, Grândola vila morena, Fim de sessão.

Grupo Coral do Sindicato Mineiro de Aljustrel “Mineiros de Aljustrel”.

quarta-feira, janeiro 20, 2016

TRATADO DO CANTE - Grupos Corais:

FERREIRA DO ALENTEJO:

Grupo Coral Feminino "Alma Nova" Ferreira do Alentejo
Rua José Trindade Simões, 37 - 7900 - 632 Ferreira do Alentejo


Ficha Técnica:

- O Grupo foi fundado em 21 de Junho de 2004.

- Ensaiam às Quintas-feiras, à noite, em Ferreira do Alentejo.

- O Grupo é composto por 20 elementos.

- Trajo: Camisa branca, saia bordeaux, sapato preto.

- Histórico: Desde a sua constituição têm actuado no Alentejo e na zona da Grande Lisboa, em Encontros de Grupos Corais.

- Registos Fonográficos:
Cota FaiAlentejo: FF CA CD0068
- 2007 – (CD) Grupo Coral Feminino “Alma Nova”.
- Ed.:  DISCOTONI.
- Modas: …











- Reportório: Cantam as modas do seu concelho e outras do cancioneiro alentejano, em voga no Alentejo: (FF CA CD0068)  Ferreira do Alentejo, Às vezes lá no meu monte, É tão linda a Primavera, Sou português emigrante, Alentejo canta, Linda vila de Ferreira, Ó minha pombinha branca, Eu sou português, Linda camponesa, Baixo Alentejo, Ó águia que vais tão alta, Nasce o Sol no Alentejo, Os lírios são lírios, Adeus ó linda ceifeira.

- Objectivos: Divulgar o cante alentejano.

in: "Corais Alentejanos" (em actualização), de JFP.

TRATADO DO CANTE - Grupos Corais:

DAMAIA - AMADORA:

Grupo Coral da Damaia "Os Alentejanos"

Praceta Correia Garção
Damaia - 2720 Amadora


Ficha Técnica:

- O Grupo foi fundado em 1980.

- Ensaiam às Sextas-feiras, à noite.

- O Grupo é composto por 32 elementos.

- Trajo: Colete cinzento; Calça cinzenta; Camisa azul aos quadradinhos; Chapéu preto; Lenço azul rameado.
         
- Histórico: Têm uma média de 20 a 55 desempenhos por ano. As suas actuações têm mais significado, no Alentejo e na zona da grande Lisboa, onde    realizam: Encontros de Grupos Corais; Desfiles e Festas. Participaram nos Congressos sobre o Alentejo em: Elvas, Évora, Sines, Beja; Estremoz; no Concurso de Grupos Corais em Castro Verde em 1993. Têm tido participações regulares no Centro Cultural de Belém. Participaram em 4 programas de televisão e no filme Capitão Roby.

- Registos fonográficos:

Cota FaiAlentejo: FF CA K7-0030
- 1985 (K7): Cante Alentejano
- Edição: Casa do Alentejo
- Grupos: Damaia; (…)
- Modas: (…)

Cota FaiAlentejo: FF CA K7-0028
- 1987 - (K7): Grupo Coral da Damaia "Os Alentejanos”
- Edição: DUPLISOM
- Modas: (...)

Cota FaiAlentejo: FF CA CD0054
- 2005 – (CD) Semente à Terra.
- Editado por Grupo Coral da Damaia “Os Alentejanos”.
- Modas: (...)


- Repertório: Cantam as modas, que melhor representam o Alentejo e que conseguiram resistir ao tempo e que constam do Cancioneiro Alentejano. Salienta-se, entre outras:
Vai remando, vai remando; Lá vai uma embarcação; Do nosso Alentejo; Sai a pomba do pombal; Deitando a semente à terra; Semeando novos rumos; Fui-me embora p'rá cidade; Senhora Cegonha; Armou-se uma trovoada; Nossa Senhora do Carmo; Ceifeira, linda ceifeira; Fui a um jardim florido; Levantei-me um dia cedo; Ó vizinha tem cá lume, Fui te ver estavas lavando; O galo quando canta é dia; Estava dormindo acordei.

- Objectivos:     
· Contribuir para que o Cante Alentejano seja Património Regional e Nacional;
· Divulgar o Cante Alentejano no Mundo;
· Criar condições para que os jovens se integrem no Grupo;
· Em nova sede, criar condições para desenvolver actividades culturais: de representação e divulgação; de aprendizagem e formação; concursos e exposições; etc.;
· Celebrar protocolos com Escolas do ensino básico e secundário;

- Outras Informações:
                   Grupo com sede própria e estatutos;
                   Membros da Associação de Cante Alentejano “A Moda”.


In: “Corais Alentejanos” (em actualização), de JFP.
Nota: Fotografia do Grupo tirada na Igreja Matriz de Monsaraz (Cante ao Menino), em 2010.