domingo, dezembro 06, 2015

TRATADO DO CANTE - As Comidas

A AÇORDA, de João Falcato


O Alentejano, com bossa de aventureiro e navegador, senhor de pisada firme capaz de abarcar o mundo, prendado com olhar aberto que não teme os longos horizontes, não sai da sua terra. Se ela é generosa para ele, vive feliz. Se ela se lhe mostra madrasta, curva a cabeça de filho sofredor. É que há entre ele e a sua terra qualquer coisa de sólido e também de aliciante. A terra sua mãe, estendendo-lhe generosamente o pão com que miga as suas sopas, as ervas com que as perfuma e o azeite com que as aloira, escraviza-o no excesso do seu amor por ela. Cada sopa diária de açorda é gota de mítica beberragem que prende o homem cada vez mais ao seu solo.
Ó loira, olorosa, reconfortante Açorda! Quem te soubera cantar!


(de Elucidário do Alentejo)

Sem comentários: