domingo, março 27, 2016

TRATADO DO CANTE - Escrito:

"Modas": Canções regionais alentejanas.




"Tal como procedemos para as cantigas (Quadras populares), deixamos registada na base de cada "moda" a localidade ou localidades onde foi recolhida e, portanto, se conhece e canta. Do facto de certa "moda" levar apenas um registo, não se deve inferir que só aí seja conhecida. Não, as mais delas são comuns a outras localidades e regiões do Baixo Alentejo onde igualmente são conhecidas, embora com ligeiras variantes na letra (versos) e no próprio estilo, isto é, na música que as constituem.

A verdadeira origem ou procedência de muitas delas nem sempre é fácil saber-se, posto que, se há "modas" restritas a certas localidades, só aí sendo conhecidas, outras há, porém, que, tendo maior área de circulação, se conhecem em todo o Alentejo, onde vão sofrendo as suas variações.

Criada a "moda", quero dizer, depois que surge, logo se espalha e divulga numa área de cada vez mais larga, dada a facilidade com que o homem se desloca de uma para outras localidades, de uma para outras regiões.

As "modas" registadas nesta colecção de mais de três centenas, creio-as alentejanas e do Baixo Alentejo. Há, todavia, nas "modas" certas e determinadas características que nos levam a afirmar peremptoriamente da sua verdadeira origem alentejana. Convém esclarecer, pois, aos menos entendidos, nesta matéria a que é que nós chamamos "modas" alentejanas e quais as suas características.

A razão desta denominação baseia-se no facto de passar a ser cantado por toda a gente, como uma coisa nova, isto é, como moda, qualquer cantar que apareça no folclore da região. É, portanto, a esse novo cantar que, andando tanto em voga, e passando a ser moda, chamamos "moda". Rapidamente o Povo dele se apropria (e tanto mais quando lhe agrada), espalhando-o e divulgando-o de boca em boca numa área de cada vez mais vasta. (...)"

(in "Subsídio para o Cancioneiro Popular do BAIXO ALENTEJO")
do Professor Manuel Joaquim Delgado

Manuel Joaquim Delgado nasceu em Beja, no ano de 1910 e faleceu na cidade de Lisboa, no ano de 1990. Poeta, e um dos nossos mais distintos filólogos e etnógrafos. Filho de Pedro José Delgado, lavrador alentejano e de Carolina das Dores Delgado, doméstica.  Foi  o  4º  filho  de  12  irmãos todos naturais de Beja. As suas habilitações académicas correspondem ao curso de professor primário e ao 7º ano de Letras do Liceu. Como professor, exerceu funções docentes cerca de 18 anos e durante mais de 21, desempenhou funções administrativas de direção, orientação pedagógica e inspeção do distrito escolar de Beja. Sempre se mostrou avesso à sem-razão, ao falso espírito crítico, ao comentário tendencioso e injusto. Teve sempre manifesta tendência a sentir, de modo especial e muito seu, a influência de diversos agentes, quer do meio ambiente, quer do meio social e humano em que viveu. Os seus livros mostram isso mesmo, com especial relevo na sua obra poética. Das suas obras de carácter dialectal, linguístico, etnográfico, folclórico e monográfico destacam-se;  O Cancioneiro Popular do Baixo AlentejoA Linguagem Popular do Baixo Alentejo e o Dialecto Barranquenho, A Etnografia e o Folclore do Baixo Alentejo, Estudos Linguísticos, Ensaio Monográfico. Os seus estudos, considerados de grande rigor ciêntífico, foram inseridos em diversas publicações especializadas.
(nota da Biblioteca Municipal José Saramago de Beja)

Sem comentários: