sexta-feira, abril 22, 2016

TRATADO DO CANTE - "São Saias..."

«TEXTO RETIRADO DE UMA BROCHURA DA CASA DO ALENTEJO POR
ALTURA DO SEU 57º. ANIVERSÁRIO 5.7.980»

SAIAS DE CAMPO MAIOR



A cerca de 284 quilómetros de Lisboa, no Distrito de Portalegre, a vila fronteiriça de Campo Maior oferece ao forasteiro um panorama encantador com a brancura do casario, ruas empedradas com janelas floridas e sacadas de ferro forjado.
Majestoso, o Castelo romano com denominação árabe e mais tarde reedificado por D. Dinis.
A agricultura é a base da economia, mas foi muito atingida pela emigração. A Cooperativa Agricola Unidade de Trabalhadores é exemplo de quanto pode a força do trabalho, produzindo dos melhores azeites do País, tal como a carne ovina e porcina. No seu supermercado aberto a todo o Povo, duas constantes: alta qualidade e baixo preço.

As "Saias" - segundo o professor Frederico de Freitas: «a fisionomia melódico-rítmica tem a particularidade de alternar o compasso 6 x 8 com o ternário. Existe na Andaluzia e em Cuba uma canção popular que oferece no aspecto rítmico a mesma característica - é a "Guajira"».
Devido à sua localização, faz-se sentir a influência espanhola. Assim, as Saias de Campo Maior são normalmente acompanhadas por castanholas ou pandereta (ou por ambas).
Música característica do Alto Alentejo, para o leigo trata-se de uma canção em tempo de valsa, mais lenta, que outrora era muito ouvida nas festas e romarias, casamentos, bailes rurais, etc.
Muitas são cantadas ao desafio, maliciosas, críticas, satíricas, ou notabilizando o valor de quem trabalha, a beleza da mulher e da natureza, etc.
Quando terminava a safra da azeitona, o Rancho fazia um Pendão e havia festa: iam cantando té à aldeia, vila, ou cidade.

                                      Já se acabou a azeitona
                                      Já se ganhou o dinheiro.
                                      Dêem vivas ao patrão
                                      E também ao manajeiro.

Depois seguia o baile.
O Rancho de Saias de Campo Maior assoberbado com afazeres e preocupações na sua cooperativa, caíu na inércia. Mas para salvar as Saias criou um Rancho Infantil. Não seria pedagógico e humano a sua presença a estas horas, neste serão, para chegarem de madrugada a casa.

Correspondendo ao nosso pedido, um grupo de ex-cantadores-bailadores reagruparam-se e em poucos dias prepararam a exibição para o nosso «Serão», integrado no «nosso» intuito de preservar algo em perigo de se perder.

Sem comentários: