terça-feira, outubro 04, 2016

TRATADO DO CANTE - Almanaque:


“Pode lá deixar de ser belo um entardecer de Outono, quando o tom ocre dos restolhos é já cinzento e o verde das azinheiras e silvados se dilui também nessa meia-tinta, nesse tom incerto que não sendo azul não é cinzento, por cima do qual o céu se mostra ainda em fogo, enquanto ao longe, do “monte” perdido entre os montados de azinho, vem uma voz que entoa uma canção dolente, o “cante” alentejano, hino que louva e chora o sol que morre...”

Transcrito de um jornal militar da então portuguesa Guiné-Bissau:

In: Boletim do Cante Alentejano, nº. 0. Agosto de 1997.

Sem comentários: