sábado, novembro 12, 2016

TRATADO DO CANTE - Escrito:

Ó BALEIZÃO, BALEIZÃO...



“Mais do que um governo traiu-nos um país, traiu-nos a História. Traiu-nos um sonho e uma esperança que não deveria ter fim. Catarina caiu na luta, conhecemos a prisão e a tortura, e a parte que nos cabia de uma glória prometida veio um dia em que cantámos esta terra hoje nossa.”


In: “Lugares Alentejanos na Literatura Portuguesa”. Estação Imagem. Setembro de 2009 (texto de “Adeus Princesa”, de Clara Pinto Correia. Relógio d’Água. 1985.). 

Fotografia de Luís Ramos.

»»»!«««

Ó BALEIZÃO, BALEIZÃO

                   Cantiga:        Quando esta moda veio nova,
                                        Não estava na minha aldeia;
                                        Estava a cumprir um degredo
                                        Às grades uma cadeia.

                   Moda:           Ó Baleizão, Baleizão,
                                        Ó terra baleizoeira,
                                        Eu hei-de casar contigo
                                        Ou teu pai queira ou não queira.

                                        Ou teu pai queira ou não queira,
                                        Ou tua mãe queira ou não,
                                        Ó terra baleizoeira,
                                        Ó Baleizão, Baleizão.
Ou:
                   Moda:           Ó Baleizão, Baleizão,
                                        Ó terra de Catarina,
                                        Onde nasceu e morreu
                                        Com uma bala assassina.

                                        Com uma bala assassina,
                                        Ao lado no coração,
                                        Terra de Catarina,
                                        Ó Baleizão, Baleizão.


Cota FaiAlentejo: FF CA CD0053
S/D – (CD) “Ho! Baleizão Baleizão...” (Registo Sonoro).
- Editado por Grupo Coral de Baleizão
- Modas: Aldeia de Baleizão; Ai, ai, meus senhores; Meu lindo Alentejo; Cabelo entrançado; Lindo ramo verde escuro; Dá-me um beijo, morena; Ó águia que vais tão alta; Há lobos sem ser na serra; Um rancho de mondadeiras; Ó vizinha tem cá lume; Do alto da minha aldeia; Ó Baleizão, Baleizão.
Grupo Coral de Baleizão.


Sem comentários: